segunda-feira, 3 de maio de 2021

É preciso confessar

Hoje eu quero trazer uma reflexão sobre por que é necessário confessar à Deus nossas transgressões? Por que se faz necessário verbalizar ao Altíssimo nossas sombras?
É verdade que Deus sabe tudo sobre nós, mas ao dirigir-Lhe a palavra, criamos uma espécie de compromisso que nos permitirá vigiar-nos com mais cautela. Ora, lembra do mandamento: Não tomar seu Santo Nome em vão?
Pense na seguinte situação... Você trabalha há bastante tempo em uma empresa e comete um deslize. Como bom trabalhador, você dirige ao seu chefe um pedido de desculpa. Foi constrangedor, mas você seguiu em frente. Passado algum tempo, você comete outro deslize. Então, você precisa bater à porta da sala do seu chefe novamente para relatar o ocorrido, mas desta vez, além do pedido de desculpa, você leva um esquema de reparação. Foi trabalhoso, mas você cumpriu sua palavra. Criou-se então, entre você e seu chefe, um elo de confiança baseado no respeito. Agora você está mais vigilante do que nunca e não quer estragar o elo construído com tanto esforço. Veja, o ato da confissão nunca foi sobre humilhação ou punição. Ao expor seus defeitos à Deus, você permite que Ele vigie contigo. É a mais intensa fé. É confiar que Ele não irá te abandonar por conta das tuas más escolhas, afinal, Ele sabe que só descortina uma sombra quem deseja realmente livrar-se dela.
Permita esse diálogo libertador e transformador em sua vida. Crie internamente o seu esquema de reparação e esforce-se sabendo sempre que Deus vela contigo. Vigie seus pensamentos, é ali que nasce grande parte das más escolhas. Tente não se desequilibrar diante das adversidades. Sob situações ruins, projete uma imagem mental de um Anjo guardião com o coração ancorado em Cristo. Isso vai frear as emoções e vai permitir maior serenidade para a tomada de decisões. 
Seja sempre feliz, pois a paz existe.

https://www.bibliaonline.com.br/nvi/sl/32

   


sábado, 1 de maio de 2021

Verbo Amar

 Somos todos instrumentos do Divino operando os desígnios da vida. Somos a incessante essência na dança infinita da criação. Somos o sopro de um espírito magnânimo, partículas idealizadas pelo fecundo campo do amor. E o que é o amor senão o bem em sua pureza? O que é o amor senão a vontade real de ser ponte?

Amar é verbo, requer ação, ainda que essa ação ocorra no plano mental (o efetivo).  É emanar um desejo sincero de sucesso e um caminho de paz. É sentir dentro, a vontade de proferir bênçãos de saúde e sabedoria. É solicitar misericórdia para qualquer sofrimento, ainda que merecido ou cultivado. É ser flauta doce, algodão suave, pétala sedosa na alma.

Quando a ação e o pensamento se unem em prol do amor, uma chave é concedida, um anjo é acrescentado e uma névoa é dissipada. É preciso perseverar, entender que a garantia do amor na Terra geralmente está no céu. É saber que pesarão nossas traves e descuidos mais do que os acertos. 

Haverá o dia em que toda injustiça irá sublimar na tela das andanças e quando isso acontecer, todas as faces serão renovadas no refazimento. A unicidade deixará de ser conceito abstrato, e toda vida será reconhecida e honrada.

Até lá, se faz necessário suportar o jugo. Vigiemos os portões da consciência. Reconciliemo-nos com a Fonte aqui e agora. Conceda a ti mesmo e ao teu irmão o perdão, setenta vezes sete. 

Que a música de Deus seja um convite aceito e agradecido, para sempre.    

   


sexta-feira, 30 de abril de 2021

O correr das nascentes

Um rio se forma de minúscula nascente. Tudo o que hoje é grande, começou de alguma forma tímida, pequena, imperceptível talvez. Quem haverá de enxergar nas miudezas as grandezas de amanhã? Quem, coração puro e humilde, consegue enxergar nas grandezas tudo aquilo que se moldou nos tortuosos caminhos dos erros e da perseverança? 

Quando Cristo disse que não veio pelos justos, mas pelos errantes (graças a Deus)... Creio que em Seu lindo coração jaz uma esperança eterna na criatura humanamente divina, um olhar para a grandeza do que cada um pode vir a ser. É com essa fé que o Mestre se dirige a todos nós. E nós? Como nos dirigimos uns aos outros? 

O dia que conhecermos a fundo o real poder criador do pensamento, seremos mais cautelosos e justos para com todos. O dia que soubermos o quanto somos capazes de afetar o espaço límbico dos nossos irmãos, emitiremos sempre através da vontade de Deus Pai o desejo de vê-los cercados de amor. O dia que percebermos que nosso modo de vida não é melhor que o modo de vida do outro e que cada um está do jeito e no grau que precisa estar, não mais estaremos ansiosos por interferir-lhes os passos. Um mestre não aponta os erros, mas os ensinamentos diante deles. Um mestre conduz um ensinamento de dentro para fora, sem imposição, pois sabe que todo real aprendizado perpassa pela consciência e esta, só desperta depois de encontrar a Verdade. Um mestre só é chamado assim porque encontrou em si mesmo a chave para o bem viver e mesmo diante das tormentas, encontra força para erguer das cinzas a flor da sabedoria. O rastro de um mestre é necessariamente o da motivação, do empenho, da calma, da paciência, das virtudes. A lembrança de um mestre é cercada de gratidão.  

Sou grata pelos lampejos que me conduzem aos ensinamentos da vida, ainda que por vias dolorosas. Aliás, sou grata por todas as dores que tive de enfrentar, pois elas me conduziram a despertares definitivos. Sou grata aos Mestres, alguns conhecidos, outros nem sequer desconfiam que o são.  Dentro do meu coração eles possuem um elo dourado e puro, algo que sei, devo honrar.

Como um átomo que sou, uma mísera parte de um todo, seguirei no propósito firme de aprender. Quero abranger e saciar a fome que possuo de entender as faces do Amor de Deus. Que o Pai derrame neste grão errante a seiva da árvore da Vida e conduza palavras e ações. Que meu grão de mostarda não se acanhe diante das intempéries e que eu tenha coragem de tomar os cálices e passar pelas portas estreitas. Que a milícia celestial da cura e da iluminação possa amparar meus desígnios. 

Que a nascente das vidas se encontrem no mar sublime e amoroso do Criador e para sempre sejam fontes de paz e purificação. 





 

quarta-feira, 28 de abril de 2021

Lançamento: Os Anos Dourados do Colegial

 Boa noite queridos leitores! 

Há pouco tempo nós comemoramos o dia mundial do livro e para celebrar, decidi lançar um e-book que trata do período intenso e emocionante da adolescência nos anos 90. Baixe já sua amostra e divirta-se!

https://www.amazon.com.br/dp/B093RJDWV7/ref=mp_s_a_1_1?dchild=1&keywords=os+anos+dourados+do+colegial&qid=1619660136&sr=8-1




segunda-feira, 26 de abril de 2021

Quando cai o véu

Quando cai o véu, os olhos vislumbram o amor latente 

Quando cai o véu, a ignorância fica desnuda, envergonhada

Quando cai o véu, a inimizade é arrebatada

Quando cai o véu, o orgulho e a soberba encolhem

Quando cai o véu, o perdão nasce

Quando cai o véu, a falha deixa de ser do outro

Quando cai o véu, tudo é visto pelo seu real tamanho

Não nos enganemos nas turvas camadas de ilusões que nos cercam. Homens santos foram decapitados, crucificados por aqueles que se diziam portadores da sabedoria divina. Foram humilhados por viverem na verdade. Foram considerados subversivos, hereges, rebeldes, desobedientes, exclusivistas... Então o véu caiu. Os exaltados foram humilhados, não por outros, mas pior, por si mesmos. Tiveram de pular o abismo de sua própria arrogância. Então queridos amigos de jornada, deixemos cair os véus. Sejamos humildes e cautelosos em nossos juízos para não sermos nossos algozes. Não nos esqueçamos da lição dos lírios: 

Olhem os lírios do campo, que não trabalham nem tecem! E contudo nem Salomão em toda a sua glória se vestiu tão bem como eles. 

 


sábado, 24 de abril de 2021

A música de Cristo

 Boa noite queridos leitores. Esta semana nós tivemos o dia mundial do livro e para não deixar essa data tão importante passar em branco, resolvi fazer um vídeo com um conto que escrevi. Espero que vocês gostem. Um beijo!! Viva o livro e o cultivo dos sonhos bons!

A musica de Cristo