quinta-feira, 8 de outubro de 2015

A orquestra e o pavão

O peru andava desfilando no parque
Grugulejava faceiro
Feito menino arruaceiro

Então ouviu a melodia
Em plena luz do dia
E a harmonia dos instrumentos
Calou seus pensamentos
Silenciou seus balbucios

Ele não apenas ouvia
Ele sentia
Ele enxergava a maestria

A música penetrou seu sangue
Transmutou sua personalidade

E no auge da emoção
O peru estufou o peito
Abriu sua cauda
E se viu belo pavão
Pois tomou para si
Que só gente importante
Teria a sorte de estar ali
Naquele mesmo instante.





Nenhum comentário:

Postar um comentário