quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Chuva de flores

Chuvas de flores, presente do vento
Beijem minha pele, cubram meus cabelos
Façam de mim tela branca
Doem seus aromas e cores

Usem minhas pernas
Caminhem comigo e juntos
Abriremos estradas com rastros de amor
Com cheiro de flor

E quem por ali passar
Que se sinta importante
E que carregue consigo
O sentimento daquele instante

E que venha o Sol
A energia alegre e calorosa
De valor inestimável
A dourar a pele de mais um ser caminhante
Que na sua jornada incessante
Buscará embaixo da árvore
O fôlego da existência

A frondosa gigante assovia através do vento
O vento travesso faz ventania
Flores e mais flores se desprendem da copa
Enchendo o caminhante de pétalas
Colorindo e perfumando o cangote suado

E na paz do momento
Ele caminha contra o vento
E deixa para trás outra estrada de flores
Para que passe mais um rei ou rainha
Nesse ciclo infindável de amor.







Um comentário:

  1. Benza Deus que poesia estupenda!!!! Gratidão por ter lido coisa tão boa.

    ResponderExcluir