terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Depressão

A pele repuxada do canto das unhas
Revela o açoite de uma ansiedade inventada
Uma dor de poeta que sem sofrer nada
Agoniza palavras e as tornam testemunhas

Chora um mar inteiro dentro do peito
Dói o estômago como fogaréu que consome palha
Sobe até a garganta o gosto da tristeza
Despedaça o coração e o vento espalha

Onde estão as cores?
Por que o arco íris é acinzentado?
Há quem diga que inventa dores
Só para ser valorizado...

"Todos encontram seu lugar no mundo!"
"Eu nem força tenho para sair do fundo!"
A assombrosa culpa vem e o arrebenta
É avassalador, a sanidade não aguenta

Respiração profunda, suspiro de escravo
Pernas cansadas, pesadelo acordado
Angústia sem sentido nem explicação
Não se engane, isso tem nome: chama-se depressão!



 






Nenhum comentário:

Postar um comentário