sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Nas asas da esperança


Vou agora imaginar, a sensação gostosa de voar... 
Ter os braços ao vento, sentir a brisa do relento, sem nada a preocupar.
E no atrito empolgante começo a planar
Capto as energias boas que pairam sob o ar
E agradeço inconscientemente
A paisagem exuberante que vejo nesse instante.
Então, surge a confiança
E em meio a tanta liberdade mergulho sem rumo
Apenas para sentir a adrenalina correndo nas veias
Sentir que sou dona do mundo. 
E com apenas uma manobra
Faço desse voo a mais bela coreografia já exibida
Pois a paz transmitida
É o toque especial da minha apresentação
Nas asas da esperança
Há sempre uma criança
Que carrega consigo a inocência de um ser devaneador
Mas um dia irá crescer
E no amadurecer
Saberá que não é preciso ter asas para voar
Basta fechar os olhos
E começar a sonhar




 







Nenhum comentário:

Postar um comentário