sábado, 24 de dezembro de 2016

Necessidade da Caridade Segundo São Paulo

"Ainda que eu falasse todas as línguas dos homens, e mesmo a língua dos anjos, se não tivesse caridade não seria senão como um bronze sonante, e um címbalo retumbante; e quando eu tivesse o dom de profecia, penetrasse todos os mistérios, e tivesse uma perfeita ciência de todas as coisas; quando tivesse ainda toda fé possível, até transportar as montanhas, se não tivesse a caridade eu nada seria. E quando tivesse distribuído meus bens para alimentar os pobres, e tivesse entregue meu corpo para ser queimado, se não tivesse caridade, tudo isso não me serviria de nada.

A caridade é paciente; é doce e benfazeja;a caridade não é invejosa; não é temerária e precipitada; não se enche de orgulho; não é desdenhosa; não procura seus próprios interesses; não se melindra e não se irrita com nada; não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas regozija com a verdade; tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo sofre".

(São Paulo, Primeira Epístola aos Coríntios, cap. XIII, v. de 1 a 7 e 13)

Bom dia leitores!
Hoje pedi licença à São Paulo e trouxe essas belíssimas palavras para uma reflexão.
Caridade... Já parou para pensar que a caridade pode ter diversas interpretações?
Isso acontece porque cada um carrega dentro de si uma bagagem emocional e cultural diferente. Nenhum tipo de doação é melhor que outra, pois todas são complementares entre si.
Na minha opinião, ser caridoso é doar-SE sem distinção, desde que o objetivo disso seja sem objetivo. Entende?
Todos nós somos conscientes das verdades que nos fazem agir dessa ou daquela maneira. De certa forma, sabemos ou ao menos, pressupomos onde queremos chegar.
O caridoso não sabe que é caridoso, porque age instintivamente. Aliás, as pessoas mais bondosas que pude conhecer tinham baixíssima auto estima, porém, não tinham vergonha de expôr seus erros e anseios - isso é humildade. A humildade nada tem a ver com posses, mas sim, com caráter.
Temos que aprender a falar dos nossos erros sem medo, mas ao invés disso, falamos dos erros do outro. Temos medo do julgamento alheio, quando, na verdade, já fomos condenados pelo nosso próprio julgamento. Os erros fazem parte da evolução. Assumir os nossos próprios defeitos é ser caridoso com quem também os tem. É encorajar o próximo a olhar para si. É ensinar, de certa forma, a se amar, se cuidar, crescer  para"amar o próximo como a ti mesmo".

A caridade é paciente; é doce e benfazeja;a caridade não é invejosa; não é temerária e precipitada; não se enche de orgulho; não é desdenhosa; não procura seus próprios interesses; não se melindra e não se irrita com nada; não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas regozija com a verdade; tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo sofre".

Não há como alcançar as missões acima se não soubermos antes olhar para nós. Leve o tempo que for preciso, mas saiba olhar para dentro de si com misericórdia. Não é para se encher de culpa, mas para aprender a se amar com a sua unicidade. Seja caridoso consigo mesmo. Veja em quê o outro te incomoda, e volte para si - certamente irá se surpreender ao ver que vocês são iguais! Mude, mude o tempo todo. Experimente o novo, mesmo nas pequenas coisas. Absorva a VIDA do VIVER.
Vão dizer que você é inconstante e você vai dizer amém com alegria!

O Natal chegou, e em nome de Jesus eu desejo que você receba SABEDORIA para transpassar barreiras, SAÚDE para aproveitar os dias, CORAGEM para mudar o que tiver que mudar, FELICIDADE para fazer valer a pena e AMOR para alcançar a eternidade de PAZ.

FELIZ NATAL!!!!

Resultado de imagem para olhar para dentro de si

Nenhum comentário:

Postar um comentário