sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

I will 126 - The promise

Quando o SENHOR trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, estávamos como os que sonham.
Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fez o Senhor a estes.
Grandes coisas fez o Senhor por nós, pelas quais estamos alegres.
Traze-nos outra vez, ó Senhor, do cativeiro, como as correntes das águas no sul.
Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria.
Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos.
Salmos 126:1-6

Ando por aí chorando
Carregando os erros meus e dos outros.
Tenho um dom que me fere,
E não posso me defender.

Sinto as intenções, de perto, de longe
As auras, as almas esbarram em mim mascaradas
Mas as vejo nuas.
Há mais feiura, amargura e dor
Do que gostaria de saber...
Mas quem se importa?

Eu serei sempre a menina de nariz feio
Que topou em algum momento amar
E que sempre soube que amar, é sofrer...

Absorvo o lixo que me jogam
E mastigo os restos indesejados
Com raiva, é verdade,
Mas com a certeza de que pouco a pouco
Vou saudando as minhas dívidas
Dessa e de outras vidas.

Escolhi ser como sou
Pequena
Muito pequena
Uma partícula peculiar
Como todas, mas sem igual.

Talvez seja um desvio intelectual
Uma personalidade defeituosa,
Síndrome de qualquer coisa,
Chamem do que quiser, a mentira não será minha mesmo!

Desejo merecer a vitória
Venha ela como tiver que ser.
E, se a minha missão for a derrota,
Que eu a reconheça humildemente
Como um final feliz.

Lya Gram















Nenhum comentário:

Postar um comentário