terça-feira, 25 de julho de 2017

Ode aos parasitas

O parasita não se sustenta
E o mundo não o suporta.
É preciso batalhar antes de querer vencer!
É preciso merecer antes de ganhar!

O parasita se odeia
Mas se odeia tanto
Que escolhe viver de pedaços
Por saber que um inteiro nunca lhe pertencerá

O parasita se recolhe à sua insignificância
Sempre com pena de si
Da sua condição escolhida e defendida
Com uma honra inexistente.

Ao parasita resta a dor de ser nada
E o orgulho infame de querer tudo
Quando tudo o que terá
É a tristeza de morrer vivendo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário