domingo, 31 de dezembro de 2017

Hac hōra

Último dia do ano. É comum ver as pessoas fazendo retrospectivas, elencando todos os acontecimentos bons e ruins. Olham para trás lamentando ou glorificando, entorpecendo-se de saudades ou mágoas, de gratidões tardias ou de revoltas velhas. Nada contra, afinal, cada coração pede uma reflexão diferente.
Mas hoje... Hoje eu quero olhar para o aqui e agora. Quero contemplar esse dia nublado, calmo e fresco. Nada de novo ou extraordinário vai acontecer. É só mais um dia que se renova, é só mais um ano que chega como tantos outros. As expectativas nunca mudam: "tomara que o próximo ano seja melhor que esse". Enquanto fogos estarão explodindo no céu, estrelas continuarão o pisca pisca de sempre. A Lua dará o ar da graça à licença das nuvens. Talvez o céu precipite... Esse é o show de todo dia, e o camarote é teu quintal.
Sim, faça suas promessas, suas simpatias, jogue ao universo suas intenções e energias, porém, saiba, se tem algo que você queira muito, um dia apenas não é suficiente. As suas esperanças precisam estar em harmonia com suas ações. Seus pensamentos precisam sedimentar como rochas pesadas o suficiente para não te deixar esquecer dos seus objetivos todos os dias. Se quer amor, seja amor. Se quer paz, seja paz. Se quer dinheiro, seja dedicação. Se a cada manhã que lhe for concedida você souber o que realmente quer, então, a cada passo estará mais perto. O agora, do latim hac hōra, significa esta hora. Esta hora deve ser o seu palco. Esta hora deve ser sua oportunidade. Esta hora, e todas as horas que lhe forem permitidas viver.
E já que passado não se muda e futuro não se sabe, agora é hora de ser o que se quer ser e de fazer o que se quer fazer. 
2018 está aí, quase chegando, faltam algumas horas. 
E aí, o que está fazendo hac hōra por teus sonhos?

Lya Gram

Resultado de imagem para hoje

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Coquetel de Lançamento São Tantas Vozes

Bom dia queridos leitores!
Ontem foi uma noite muito especial. O coquetel de lançamento feito no Cyber Café da APVE foi uma alegria. Pessoas especiais marcaram esse dia para sempre. Quero muito agradecer a Alessandra e a diretoria cultural da APVE por ter aberto esse espaço, ao Alexandre da Cantina que providenciou os deliciosos salgadinhos oferecidos no coquetel, ao prefaciador André Kondo que não pôde estar presente mas que abrilhantou com suas palavras o meu novo livro, a todas as pessoas que puderam presenciar esse momento especial da minha vida literária, muito obrigada!
Que Deus permita mais momentos como esse!

Confira abaixo as fotos do evento:


Alexandre e sua linda filha Yasmin:


Eu e meu bambino:







Meu caixa, fotógrafo e afins:




O melhor marido:


Eu e Nídia, amiga de longa data:



Eu e o futuro afilhadinho:


A mais nova mamãe do pedaço:


Mamãe e suas crias:


O querido escritor de histórias infantis Marcelo:


A Mara-vilhosa, idealizadora do guarda-roupa sustentável:



Dr. Héctor, presidente da Academia Joseense de Letras:


Queridos padrinhos de casório Helen e Nicolau:


Da esq. para direita a família Graminho Henrique, eu, Ana Lúcia e Eloy:


Escritora Dila Bento e sua simpática irmã:




Os queridos do grupo Litheratrupe:


Da esq. para direita a escritora Lili Oliveira, escritora Drika Yar e escritor Geraldo Rosa:






Eu e Lili, mana número 1.



Queridíssima Silmara, as mãos de fada!!