segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Temor e coragem

Não temo a noite escura
Do céu das bocas infames
E nem o gesto indelicado
Dos preconceitos

Não temo o rude olhar
De pedras que pulsam
No peito duro
Do egoísmo

Não temo as mentiras
Que salivam famintas
A carne doce
Da felicidade

Não temo a indiferença
De quem não sabe
Fazer a diferença

Não temo os pés
Que se colocam à frente dos meus pés
Na intenção do tropeço

Não temo o choque
Profundo e marcante
Da ingratidão

Não temo o rastro das lágrimas
Que chovem no rosto
Que me encara no espelho

A coragem que me veste
Vem do véu imaculado
De um Verbo que anda ao lado
Da justiça e da verdade.




Nenhum comentário:

Postar um comentário