sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Uma criança em nós

 Há uma criança dentro de ti. Ela te olha, te toca sutilmente. Se esforce, perceba a aura doce envolvendo os teus sentidos. Permita que ela coloque a mão nos teus olhos. Há algo que ela deseja te revelar. Não tema o silêncio, não queira entender antes de sentir, apenas curve-se e entregue-se ao que está por vir. Do toque acalorado das pequenas mãos, um clarão se faz e logo você se vê criança, brincando no quintal. De repente te invade a humildade e a pureza, onde um pequeno quintal vira um universo de possibilidades e descobertas. Você sente novamente o toque brando da joaninha a caminhar na palma da sua mão. Sente o toque dos dedos no orvalho das flores e ergue a mão aos céus para captar a suavidade do vento. Ali, seres pequenos eram vistos. Formigas, borboletas, vespas, minhocas... O seu olhar estava apurado pelo simples prazer de coexistir. O quintal estava cercado de muros, é verdade, mas sua alma estava plena no presente. A amoreira virava a montanha que você escalava sem medo. Pés e mãos estavam sujos, mas o interior era rio cristalino. Nem as pedras duras e frias ficavam de fora da brincadeira. Tudo cabia pacificamente no seu mundo. Eis que a criança te devolve ao teu estado atual. Você não tem um quintal... Tem um quarto pequeno, uma cozinha bagunçada e uma sala com uma grande TV. Com um sorriso encrustado no âmago do teu ser, a expedição começa. Você limpa, desfaz, muda tudo de lugar. E o seu novo espaço é tão aconchegante quanto o quintal, não porque ele tenha mudado tanto, mas porque você finalmente renasceu.


Uma jornada velha sob novo olhar

 


Março abriu-me uma nova página do livro da vida. Seguro o livro deste dia nas mãos dos sentidos, todos eles. A brisa suave balança o véu da cortina e toca os pés desnudos e largados em cima da cama. A pele passa a regular a temperatura e assume a mesma brandura do vento. Envolvida pelas brumas do tempo, sinto-me abraçada pelo eterno. Inspiro profundamente o ar trazendo para dentro do corpo a plena consciência do ser e do existir.Da janela do meu quarto, vejo pássaros pousando no fio de alta tensão, além de uma vespa que voa solitária perto da arandela da varanda. Percebo que a natureza é constante movimento e providência, e eu sou parte desse movimento que acolhe a vida pela vida. Num breve instante a Consciência Suprema me alcança. A vibração que me circunda é de profunda paz. Mergulho na certeza de que o Criador é como um pai zeloso que sabe por onde levar seus filhos. É nesse colo que eu descanso. A mais linda orquestra reverbera os sentidos da alma que calmamente absorve o encantamento da harmonia que não cessa de transcorrer. Ouço um sussurro a me instruir: "Filha minha, plante suas flores que Eu cuido da primavera". De olhos fechados, vejo uma rosa brotar e se abrir. Sinto um agito gostoso no coração e no estômago. Um perfume inebriante toma conta do ambiente e eu só quero agradecer. A imagem de um livro surge. E a história começa no mês de Março...