sábado, 1 de maio de 2021

Verbo Amar

 Somos todos instrumentos do Divino operando os desígnios da vida. Somos a incessante essência na dança infinita da criação. Somos o sopro de um espírito magnânimo, partículas idealizadas pelo fecundo campo do amor. E o que é o amor senão o bem em sua pureza? O que é o amor senão a vontade real de ser ponte?

Amar é verbo, requer ação, ainda que essa ação ocorra no plano mental (o efetivo).  É emanar um desejo sincero de sucesso e um caminho de paz. É sentir dentro, a vontade de proferir bênçãos de saúde e sabedoria. É solicitar misericórdia para qualquer sofrimento, ainda que merecido ou cultivado. É ser flauta doce, algodão suave, pétala sedosa na alma.

Quando a ação e o pensamento se unem em prol do amor, uma chave é concedida, um anjo é acrescentado e uma névoa é dissipada. É preciso perseverar, entender que a garantia do amor na Terra geralmente está no céu. É saber que pesarão nossas traves e descuidos mais do que os acertos. 

Haverá o dia em que toda injustiça irá sublimar na tela das andanças e quando isso acontecer, todas as faces serão renovadas no refazimento. A unicidade deixará de ser conceito abstrato, e toda vida será reconhecida e honrada.

Até lá, se faz necessário suportar o jugo. Vigiemos os portões da consciência. Reconciliemo-nos com a Fonte aqui e agora. Conceda a ti mesmo e ao teu irmão o perdão, setenta vezes sete. 

Que a música de Deus seja um convite aceito e agradecido, para sempre.    

   


Nenhum comentário:

Postar um comentário