terça-feira, 13 de julho de 2021

A flor recusada

 Era uma vez, uma menina que adorava cultivar plantas. Dedicava uma boa parte do seu tempo misturando a terra, adubando e multiplicando mudas. Andava por todo lado com seus vasinhos, entregando-os como um presente a quem quisesse. Gostava de espalhar flores e sorrisos.

Certo dia, ao ofertar um vasinho, uma pessoa o recusou. A menina percebeu aquele semblante sisudo e desconfiado. A mesma ficou intrigada, afinal, que mal haveria num pequeno vaso de planta?

Recolhendo para si o vaso recusado, decidiu planta-lo num terreno próximo dali. Sempre que passava em frente, adubava e molhava a plantinha. Passado algum tempo, a primeira floração surge belíssima com cachos de pequenas flores brancas. Que alegria! A menina foi para casa buscar uma haste e linha para amarrar as flores e protegê-las do vento. Quando retornou ao longe na rua, viu a mulher que recusara o vaso, sentada na pequena mureta ao lado das flores. Com uma tesoura na mão, a mulher cortou o cacho de flores, colocou-as numa sacola, levantou-se e foi embora.

A menina, ao ver a cena, ficou sem entender. Aproximou -se da planta e derrubou algumas lágrimas. Eis que um anjo surge e pergunta:

- Por que choras?

- É que eu gostaria de entender... Ofertei um vaso para uma mulher que o recusou. Tempos depois ela surge e rouba as flores...

O anjo, enxugando-lhe as lágrimas disse:

- O cultivo cabe àqueles capazes de enxergar a flor antes de ela nascer. O bom coração é paciente, é lavrador. Semeia porque a semente não lhe falta, e por isso mesmo, não teme também a falta das flores, pois já sabe que sua beleza e seu perfume, jazem dentro de si.


Nenhum comentário:

Postar um comentário