sábado, 17 de julho de 2021

Nascente



Espelho cristalino e puro

Trazes o céu ao chão

Afundas meus olhos nessa paz

E cravas na alma minha 

O manso correr das águas


Pacientemente tu moldas as pedras

Retiras brandamente pontiagudas formas

Doas a tua essência que é vida

E a simples pedra se transforma em

Pedra de rio  


As árvores deitadas no teu semblante

Moldam um cálice divino

E dele meu espírito bebe

Todo esplendor e beleza


Levas, na suave correnteza

Tudo o que desejo esquecer

E renovada no teu seio

Me inclino para enxergar

A nascente de uma face mais serena.



Nenhum comentário:

Postar um comentário