A palavra certa

Em uma conversa existem dois lados: o da escuta e o da fala. Se a gente apenas ouve, sujeitamos o outro ao monólogo. Se a gente apenas fala, sujeitamos o outro à brusca exposição. É na troca que estabelecemos o equilíbrio, a certeza de que estamos presentes com tudo o que nos cabe. Na troca, percebemos tudo o que há de comum entre nós, as coisas que nos une e até aquelas que desejamos rejeitar em nós. A verdade é que não existe palavra certa para quem não desapega de si mesmo. Toda palavra desejosa de comunhão e afeto merece ser dita e ouvida. Os caminhos pelos quais a palavra permeia cada um não nos cabe, visto que há uma jornada intrínseca a ela que também não percorremos. Quantas vezes nos apoderamos de palavras que não foram nem escritas e nem ditas por nós, mas que sabem dizer tudo o que sentimos? Isso prova o poder de convergência da palavra, que sempre irá buscar um sentido e um sentimento. E isso não depende da palavra em si, mas de cada um de nós e do nosso acolhimento. A palavra nunca se esgota em si mesma. Vejamos um exemplo: a palavra amor. No dicionário a palavra amor está assim descrita: Sentimento afetivo; afeição viva por; afeto: o amor a Deus, ao próximo. Sentimento afetivo... Trazendo isso à prática, sabemos que o sentimento afetivo se revela de diversas formas. Será que há a forma mais correta de demonstrá-lo? A certa? Há um jeito certo de sentir? Isso eu não sei dizer. Mas posso dizer, com a certeza da vivência, que já encontrei amor em palavras duras, da mesma forma que encontrei maldade em palavras doces. E todas me ensinaram de alguma forma. Acho que toda palavra reflete o estado de espírito e esse jamais poderá ser encoberto. A palavra revela o que está além dela. Para mim, a palavra é definitivamente uma busca e um encontro. E nesse caminho, faço minhas as palavras de São Francisco de Assis: fazei que eu procure mais compreender do que ser compreendido. E, se a minha compreensão for falha e pequena, que me perdoem os grandes. Eu permanecerei na gratidão por ter sido o melhor que consegui até ali.
    



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diálogo: Muito X Pouco

Somos heróis

Necessidade da Caridade Segundo São Paulo