Calmaria noturna

Há na serenata noturna
Uma vida que se exibe calma
Com a misteriosa névoa soturna
A revelar aos poucos os desejos da alma

Uma brisa leve e fria desce
E se deposita lentamente no chão
Uma carícia gelada que aquece
Aqueles que cantam em união

Estrelas encobertas 
Luar adormecido
Corujas despertas

Grilos agitados
Vento em procissão
Sonhos acordados.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diálogo: Muito X Pouco

Somos heróis

Necessidade da Caridade Segundo São Paulo