Hino ao Céu

Final de tarde, céu colorido

És dos meus encantos, meu preferido

Nem noite, nem dia

Intersecção em harmonia 


Há um caminho do meio

Que não é tanto e nem tamanho

Estrada certa, eu creio

Para meus sentidos, meu rebanho


Da rosa, quero ser a haste

Sustentar espinho e perfume

Ser aquela que tudo une

Para que o todo não se afaste


Eu sinto a face oculta

Esse é o meu dom e a minha dor

Afino o som, aumento a escuta

Busco a sintonia do amor


Dessa vida eu quero é paz

Quero compreender e ser compreendida

Quero amar e ser capaz

De superar toda ferida


Mas se o viver trouxer embate

Não venha de mim a ofensa

O mal que por vez me abate

Colherá sozinho a desavença 


Não sou boa e nem ruim

Sou humana, simples assim

Cheia de erros e acertos

De paraísos e desertos


Mas o céu  que tanto amo

Me conhece por inteiro

Ouve o que eu clamo

E ajusta o meu roteiro


Lindo céu, obra de Deus

Não canso de agradecer

A Luz que envia aos olhos meus

Desejo jamais esquecer

















Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diálogo: Muito X Pouco

Somos heróis

Necessidade da Caridade Segundo São Paulo